18 mil pessoas assistem os três dias da encenação da Paixão de Cristo

    Aproximadamente 18 mil pessoas assistiram a encenação da Paixão de Cristo no Parque Municipal "Monsenhor Bruno Nardini", em Valinhos, segundo a Secretaria da Cultura. As apresentações ocorrreram nos dias 20, 21 e 22, (quarta, quinta e sexta-feira). Além de assistir a um espetáculo que contou a mais bela história de todos os tempos numa produção arrojada e carregada de emoções, as pessoas tiveram à disposição toda infraestrutura para melhor comodidade e tranqüilidade. A realização do evento foi da Prefeitura, por meio da Secretaria da Cultura, e contou com o apoio do Governo do Estado, por meio do PROAC (Programa de Ação Cultural).

    Uma das novidades este ano foi a transmissão simultânea por meio de telões colocados em pontos estratégicos do espaço cenográfico que facilitou a visualização dos ricos detalhes da encenação, sem que as pessoas precisassem se locomover. Em silêncio, o público não tirou os olhos do palco e dos telões.

    A encenação contou com a participação de cerca de 300 pessoas entre atores, técnicos e apoio. Com duração de 1 hora e cinco minutos, o espetáculo contou com uma belíssima cenografia que teve ambientações no Palácio de Pôncio Pilatos, tendo como novidade a entrada dos guardas romanos montados em imponentes cavalos, que relembrou cenas cinematográficas. A Via Sacra, o Calvário e o Sepulcro, dentre outras estações, também compuseram o cenário, ocupando um espaço de aproximadamente 2.000 m². Dois outros momentos do espetáculo que encantaram o público foram a morte e ressureição de Jesus Cristo, interpretado pelo ator Victor Hugo. Após a crucifixação, foram exibidas imagens no telão relacionadas a fatos da história da humanidade que levaram as pessoas à reflexão. Já a ressurrreição foi marcada pelo personagem Jesus Cristo sendo elevado a uma altura de nove metros e envolto pelo brilho de uma chuva de papel picado, acompahada por um show pirotécnico.

    Para o secretário Mário Farci, que também assinou a direção do espetáculo, a proposta foi produzir um espetáculo explicitamente contemplativo e que levasse o público à reflexão. "Sem dúvida alguma o nosso objetivo foi alcançado. O público embarcou na nossa proposta. Não pode haver exageros, temos que aliar a técnica e efeitos a uma história que por si só já carrega uma carga muito forte de emoção. O elenco é parte importante do sucesso da encenação, pois é um desafio muito grande contar uma história que todos conhecem", afirmou.

    Vanessa Calio, do bairro Vera Cruz, aprovou a novidade. "É um trabalho que nos surpreende. A cada edição tem algo diferente. Este ano assistimos a uma Paixão regada à tecnologia", destacou.

    Vera Lúcia Farias Oliveira de Moraes, de Hortolândia, acompanha da família, disse que foi a primeira vez que prestigiou o espetáculo valinhense. "Ficamos encantados. Parece que entramos na história. Passaram-se mais de dois mil anos e não conseguimos conter as lágrimas. Foi maravilhoso", comentou.

    A comerciante Márcia Duarte Brocchi, que reside no centro de Valinhos, assistiu à Paixão com a filha e um afilhado. Ela disse que não perde nenhuma apresentação e ressaltou que "a cada ano a interpretação dos atores fica mais real".

 

Maior Público

    O grande público presente nos três dias da encenação da Paixão de Cristo era composto em sua maioria por famílias, não só de Valinhos, mas de diferentes cidades da região. Para oferecer maior comodidade aos espectadores, foi montada uma arquibancada em torno do palco com capacidade para 4.500 pessoas. Além disso, foram instalados nas proximidades do palco sanitários químicos e uma praça de alimentação. E, para manter a tranquilidade característica dos espetáculos da Paixão de Cristo, a Secretaria de Transportes e Trânsito montou esquemas espciais para estacionamento e disponibilizou agentes de trânsito, visando manter o tráfego fluente na região do Parque Municipal. A Guarda Civil Municipal e Polícia Militar realizaram a segurança interna e externa.

    O empresário Jarbas Furlan, de 49 anos, de Valinhos, disse que todos os anos assiste ao espetáculo e elogiou toda a infraestrutura. "Cada vez está ficando melhor. Espero que os próximos prefeitos sigam o mesmo exemplo da administração do prefeito Marcos, que manteve a tradição das apresentações, além de oferecer comodiade e tranquilidade aos espectadores", argumentou.

    Roseli Maria Espíndola, do Bom Retiro, disse que o genro e a neta Isabela, de 13 anos, participaram pela segunda como atores. "Desde a primeira participação deles na encenação, passei a acompanhá-los e apreciar cada detalhe desse rico espetáculo. Estão todos de parabéns!", enfatizou.

    Rosana Rocha, da Vila Pagano, disse que foi a primeira vez que acompanhou a Paixão de Cristo, no Parque Municipal. "Gostei bastante da infraestrutura, especialmente das arquibancadas. Eu não tinha ideia da grandiosidade do evento. Adorei!", salientou.

    Audrei Romão Schon, de São Paulo, comentou que soube do evento por meio da sogra que reside na cidade e pelos jornais. "Vim especialmente para prestigiar o espetáculo".

    Victor Bueno da Silveira e a esposa Aurezita, do Jardim Paraíso, revelaram que os filhos fazem parte do elenco já há alguns anos. "Nossos filhos participam como atores. Ficamos orgulhosos por isso. Acompanhamos os ensaios, a montagem do cenário e das arquibancadas. Foi tudo muito bem estruturado", avaliou.