Confirmado um caso de Leishmaniose

    O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Prefeitura de Valinhos confirmou no último dia 14, quinta-feira, um caso de Leishmaniose Visceral Canina em um animal no bairro Country Club. Este é o primeiro caso no município deste tipo da doença. Já na última sexta-feira, dia 15, uma equipe do CCZ reuniu-se com moradores das proximidades onde o caso foi registrado para orientações e esclarecimentos sobre medidas preventivas e de controle a serem realizadas.

    A doença foi detectada em um cachorro da raça Kuwas, que há cinco meses apresentava alguns sintomas e foi levado a um veterinário particular que suspeitou da doença e notificou ao CCZ. O cão foi encaminhado ao CCZ onde foram colhidos os exames necessários para confirmação da doença. O resultado dos exames para Leishmaniose Visceral Canina realizado pelo Instituto Adolfo Lutz foi comunicado na quinta-feira, dia 14. No ano passado o CCZ ministrou uma capacitação sobre a doença para veterinários do município que foram orientados a notificar caso surgissem casos suspeitos desta enfermidade em Valinhos.

    Além da reunião com moradores realizada no último dia 15, o CCZ já está tomando as medidas necessárias, de acordo com o Programa de Controle da Leishmaniose Visceral do Estado de São Paulo. "Já fizemos a delimitação de área para trabalho, que pelo preconizado pelo Programa é de 200 metros do local onde o caso foi registrado. E agora teremos outras ações, como a realização nas próximas semanas de sorologia em 100 cães; o diagnóstico ambiental dos imóveis; visita casa a casa e entrega de material sobre a doença. Também já entramos em contato com a SUCEN (Superintendência de Controles de Endemias), que agendou para inicio de maio a pesquisa entomológica (busca pelo vetor) em 42 casas", afirmou a veterinária da Prefeitura, Jeanette Trigo Nasser.

    Segundo a veterinária, não há motivos para pânico, mas por se tratar de uma doença grave os donos de animais, principalmente do bairro, devem estar atentos aos sintomas. "Há uma grande variedade de sintomas e pode ocorrer casos em que os cães são assintomáticos, mas têm a doença. Dentre as características mais comuns estão anemia, perda de pelo principalmente ao redor dos olhos, crescimento exagerado das unhas, feridas que não cicatrizam, diarréia persistente, vômito, emagrecimento e prostração", avisa Jeanette.

 

A doença

    A Leishmaniose canina é uma doença parasitária transmitida pela picada do mosquito infectado (fêmeas da espécie Lutzomyia longipalpis - também conhecido por mosquito-palha). Trata-se é uma doença sistêmica grave, de curso lento e crônico. Não há droga veterinária específica para tratar cães com esse tipo de enfermidade registrada no Brasil.

    Pode-se prevenir a leishmaniose mediante uso nos cães de coleiras a base de deltametrina a 4% e principalmente evitando acúmulo de matéria orgânica em decomposição nos quintais uma vez que o mosquito-palha é um inseto bem pequeno e costuma se reproduzir em locais com muita matéria orgânica em decomposição. Portanto, evitar acúmulo de restos de frutos, folhas, raízes e galhos e outras matérias orgânicas nos quintais e terrenos são maneiras de evitar a proliferação desse mosquito.