Evolução da covid-19 barra novas aberturas do comércio no dia 15

O Governo do Estado determinou nesta quarta-feira (10) que os municípios da região de Campinas, incluindo Valinhos, não poderão avançar no processo de reabertura escalonada do comércio. Dessa forma, a região segue na Fase 2 e as categorias da Fase 3, que são os salões de beleza/barbearias e também o consumo presencial nos bares e restaurantes, não serão liberadas a partir da próxima semana, como estava previsto.

A abertura escalonada tinha começado no dia primeiro de junho, quando parte do comércio foi autorizada a voltar a funcionar com horários reduzidos (quatro horas de expediente por dia) e uma série de regras de higiene e distanciamento impostas pela Vigilância Sanitária. Pelo calendário, a partir da próxima segunda-feira (15), seria iniciada a terceira fase, com a liberação de mais alguns setores, desde que os números da doença estivessem sob controle, o que não ocorreu. 

Em sua decisão, o Governo do Estado se baseia no avanço dos números da covid-19. Houve crescimento no total de casos confirmados em todo o Estado e também na ocupação dos leitos de UTI desde a última semana. Em Valinhos, a taxa de ocupação nas UTIs passou de 70% pela primeira vez, e, na Santa Casa, que atende pelo SUS, chegou a 100% na última terça-feira (9).

Além da proibição da abertura da Fase 3, o Estado colocou a região de Campinas em estado de alerta, o que significa que na próxima semana, se os números de casos e de ocupação de leitos não mudarem, é possível que todo o comércio volte a ser fechado, restando abertas apenas as atividades essenciais.

"A tendência é de evolução na pandemia na região de Campinas. Em sete dias podemos regredir se for necessário (na reabertura do comércio). Já deixamos em alerta", disse o secretário de Desenvolvimento Regional do Estado, Marco Vinholi, nesta quarta-feira, ao anunciar a medida.

"O entendimento da Vigilância Sanitária de Valinhos é de que a cidade não está em condições de passar para a Fase 3. O número de casos ainda está em crescimento e a ocupação dos nossos leitos de UTI tem preocupado. Além disso, parte dos estabelecimentos que foram autorizados a abrir não tem respeitado as regras e os consumidores estão indo às ruas sem se preocupar com os meios de prevenção", disse Cláudia Maria dos Santos, diretora da Divisão de Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde.

Fiscais da Vigilância Sanitária, Procon e da Secretaria da Fazenda de Valinhos, acompanhados de agentes da Guarda Civil Municipal, flagraram na última terça-feira (9) 12 estabelecimentos funcionando em desacordo com as regras impostas para a reabertura parcial do comérico na cidade. Das 12 empresas, 11 foram notificadas e 1 foi autuada por descumprimento das normas fixadas para a reabertura.

A maior parte das irregularidades estava ligada à falta de distanciamento de 2 metros entre as pessoas em filas e ao descumprimento do horário de funcionamento das empresas. Para reabrir, os setores selecionados têm que respeitar, desde a última segunda-feira (1), horários alternativos de funcionamento e uma série de regras sanitárias impostas por Nota Técnica da Vigilância Sanitária e que têm como objetivo a redução dos riscos de contágio pelo coronavírus.

Valinhos tem hoje 294 casos confirmados de covid-19, sendo que 12 pessoas já morreram por conta da doença. Há ainda 27 pessoas internadas em leitos de UTI. Só nesta quarta-feira foram 17 novos casos notificados. 

10/06/2020