Fique em casa! Ajude a combater o coronavírus e a salvar vidas

 “Não dá para pagar para ver”, afirma infectologista de Valinhos; quarentena é crucial para evitar o descontrole da pandemia

A população valinhense, assim como a de todo Estado de São Paulo, se prepara para o primeiro final de semana de quarentena decretada pelos governos do Estado e Municipal. No meio da batalha contra o coronavírus há uma batalha de informaçoes sobre a doença. Neste momento, ficar em casa é a melhor medida de enfrentamento do Covid 19, adotada em Valinhos em consonância com os especialistas da Rede Municipal de Saúde.

A médica infectologista Laura Andrade Lagoa Nobrega, da Secretaria de Saúde de Valinhos, afirma que o isolamento social é a medida mais eficaz para se evitar a proliferação do novo coronavirus, causador da Covid 19, doença que já vitimou, só em São Paulo 48 pessoas.

“Fica em casa, vamos ignorar as opiniões fora do que é o mais adequado e que tem apresentado resultados eficientes em diversos países”, pede a médica infectologista.

Laura endossa a orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da maioria dos infectologistas ouvidos pela imprensa que, quanto mais os moradores cumprirem a quarentena e evitarem aglomeração, mais rápido vão conter a circulação do coronavirus. Consequentemente, o número de casos de Covid 19 serão reduzidos, evitando o colapso no sistema de saúde como aconteceu na Itália.

A médica explica que, para uma cidade como Valinhos, com 129 mil habitantes, ao lado de uma grande metrópole como Campinas, o melhor remédio para este momento é ficar em casa e obedecer a quarentena.

“Não consigo vislumbrar uma quarentena seletiva, como alguns estão propondo, onde apenas idosos e portadores de doenças crônicas fiquem em casa e as demais pessoas estarão livres para circulação. Qualquer um de nós, em nossas famílias, temos um ente querido idoso ou com algum tipo de doença que, em algum momento, poderá entrar em contato”, comenta.

Laura diz estar atenta e acompanhando tudo o que vem acontecendo no mundo e especialmente no Brasil. Segundo ela, não se pode perder o controle da situação, como aconteceu em alguns países.

“Será horrível para um profissional ter que decidir entre dois pacientes, um de 70 e outro de 75 anos, qual deles deve salvar. Não é possível que alguém vendo essa situação ainda queira arriscar a sua vida ou a de um familiar”, alega.

A médica infectologista tem segurança de que o confinamento é a única forma de garantir a saúde de todos. Para ela, as medidas de contenção da circulação adotadas pelos governos de São Paulo e pela Prefeitura de Valinhos estão dando um tempo muito importante para que as cidades possam se preparar para o pico da pandemia.

“Esse tempo será crucial para que o sistema de saúde se equipe e se prepare. Na Itália eles ignoraram essa providência e só se deram conta quando o coronavirus já circulava sem controle”, afirma.

O recado da médica infectologista é claro: fique em casa! “A única solução eficaz nessa guerra, e já está provado, é o isolamento. Não dá para pagar para ver”, enfatiza.

27/03/2020