Lagoa do CLT passa por limpeza para ampliar reservação

Capacidade da represa vai passar de 70 milhões para 105 milhões de litros de água

As obras de desassoreamento da lagoa do Centro de Lazer do Trabalhador (CLT), a Barragem Figueiras, responsável por 20% do abastecimento de água de Valinhos, tiveram início nesta segunda-feira (17). Parceria da Prefeitura de Valinhos com o Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), do governo estadual, a limpeza vai ampliar a capacidade de reservação em 50%, de 70 milhões de litros para 105 milhões de litros de água.

As escavações na lagoa terão início esta semana, com trânsito de máquinas e caminhões. Parte da pista de caminhada e ciclovia será interditada para garantir a segurança dos frequentadores do parque, mas 70% dela continuará aberta para a prática de atividades físicas. A previsão é de que os trabalhos sejam concluídos em seis meses.

Segundo o presidente do Departamento de Águas e Esgotos de Valinhos (DAEV) Pedro Inácio Medeiros, a represa do CLT nunca passou por limpeza e a situação da reserva é considerada crítica há pelo menos 15 anos. "Em vários pontos, a represa tem 20 centímetros de profundidade. Após a conclusão das obras, ela terá 2,5 metros em toda sua extensão, o que garante maior autonomia de abastecimento", explicou. 

O diretor de Operações e Manutenção do DAEV, Marcelo César Lino, comentou que o desassoreamento é importante para ampliar a reserva e a segurança hídrica de Valinhos. "É uma obra fundamental para a cidade, que precisa ser feita há muito tempo", afirmou. 

A limpeza está orçada em R$ 900 mil. De acordo com o diretor de Planejamento, Obras e Fiscalização do DAEV, Ricardo Rogério Gardin, as negociações da Administração Municipal com o DAEE tiveram início ainda no ano passado. "Havia um projeto anterior de R$ 5 milhões para a obra. Reduzimos significamente o valor e conseguimos a parceria com o DAEE", disse. 

A Barragem Figueiras responde por 20% do abastecimento de água em Valinhos e abastece a Estação de Tratamento de Água (ETA) 1, junto com o reservatório João Antunes dos Santos. A cidade tem ainda outros dois reservatórios, o Moinho Velho e o Santana dos Cuiabanos, usado somente em situações emergenciais. A maior parte da água utilizada no Município, 55%, é captada diretamente do Rio Atibaia e tratada na ETA 2. A cidade conta ainda com um sistema de poços profundos. 

Veja vídeo:

https://youtu.be/vMFS4v1PEr4

 

17/09/2018