Prefeitura e DAEV põem em operação novo reservatório

Com capacidade de reservação de 1 milhão, o reservatório localizado na Estação de Tratamento de Água (ETA) II

A Prefeitura de Valinhos e o Departamento de Águas e Esgotos de Valinhos (DAEV) colocam em operação nesta quinta-feira (26) o R9D para aumentar a segurança hídrica e atender o crescimento da demanda que vem aumentando após a chegada do coronavírus.

Com capacidade de reservação de 1 milhão, o reservatório localizado na Estação de Tratamento de Água (ETA) II, no Jardim Pinheiros, vai reforçar o abastecimento do bairro Frutal e as regiões do Bom Retiro, São Marcos, Parque Portugal, Jardim América II, Jardim Paraíso, Parque das Colinas e Ortizes, entre outras.

“Continuamos trabalhando com empenho para garantir que nossos moradores tenham água de qualidade em suas casas. Esse foi um compromisso da minha administração, que estamos transformando em realidade. O abastecimento de água de qualidade é fundamental para o desenvolvimento da nossa cidade e a qualidade de vida dos nossos moradores”, disse o prefeito Orestes Previtale Júnior. 

Construído com recursos próprios, de R$ 766 mil, o R9D começou a ser erguido em 2012, mas foi paralisado por problemas contratuais com a empresa responsável pela construção. As ferragens do esqueleto e o concreto passaram por perícia realizada por uma empresa contratada pelo DAEV, que confirmou o bom estado da estrutura, e os trabalhos foram retomados em julho de 2019.

A ETA II tem capacidade de reservação de 5,4 milhões de litros de água tratada. Com o R9D, serão sete reservatórios que armazenarão 6,4 milhões de litros. O novo reservatório integra o plano de investimentos do DAEV para garantir melhorias no sistema de abastecimento de água da cidade. 

“Até o final de 2020 a Prefeitura e o DAEV estão investindo para aumentar a segurança hídrica e o esgotamento no município”, afirma o presidente da Autarquia, Ricardo Gardin.
A capacidade de reservação de água tratada também aumentará em 62% até o final do ano, para 23 mil metros cúbicos, com a entrada em operação de mais quatro reservatórios (Imperial, com 1.330m³; Morada do Sol, São Bento do Recreio, e Santo Antônio, com 600m³ cada, totalizando 4.130m³), somando R$ 2,9 milhões, com recursos próprios.

“Até o fim do ano, o DAEV vai aumentar a capacidade de reservação de água tratada em 62%, chegando a 23 milhões de litros. Estamos trabalhando no projeto de um novo reservatório de mais 1.000m³ na ETA II”, afirma Gardin. “É mais segurança hídrica para todos.”

Coronavírus e consumo
Desde o início da quarentena decretada pelo governo, o consumo de água tratada disparou na cidade, especialmente em algumas regiões. “Com as pessoas em casa, já esperávamos um aumento”, avisa Gardin. 

O DAEV já projetava a nova situação e adotou algumas medidas, entre as quais se destacam reforço no monitoramento do Centro de Controle Operacional (CCO), com maior agilidade no acionamento de bombas e níveis de reservatórios, e o adiamento das paradas programadas de manutenção e interferência na rede de água. Estão mantidas apenas as manutenções emergenciais, provocadas por vazamentos, e outras ações no abastecimento.

“Sabemos que o saneamento é saúde pública e essencial para a vida, especialmente neste período de crise provocada pelo coronavírus. Nosso objetivo diário é oferecer água tratada e esgotamento sanitário de qualidade, mas para que todos tenham acesso, é preciso que as pessoas usem a água de forma racional, para que continuemos a abrir as torneiras das nossas casas com a certeza de que o abastecimento está garantido”, afirma Gardin.

Devido à pandemia e à importância da água para a saúde pública, o DAEV está definindo um protocolo interno para analisar caso a caso as situações de inadimplência e acompanha de perto as orientações dos municípios associados e da própria agência reguladora ARES-PCJ.

Vale lembrar que as tarifas aplicadas pelo DAEV estão entre as mais baixas entre os associados da ARES-PCJ. Em Valinhos, os imóveis residenciais que consomem até 10m³ por mês pagam R$ 28,98 de água e esgoto. De 10,001 a 17 metros, o valor é de R$ 5,38 o metro cúbico. De 17,001 a 25m³, o custo passa para R$ 6,94 o metro. De 25,001 a 35m³, é de R$ 9,48; de 35,001m³ a 50, o metro cúbico é de R$ 13,06; e acima de 50,001, o usuário desembolsa R$ 27,08. 

Os valores podem ser consultados no link: www.daev.org.br/tarifas e estão em vigência desde 27 de junho de 2019.

 

25/03/2020