Safra estimada: 3 mil toneladas de figo e 15 mil de goiabada

Festa do Figo e Expogoiaba terá 40 boxes para comercializar frutas direto dos produtores

Produtores de Valinhos esperam colher aproximadamente 3 mil toneladas de figo e 15 mil toneladas de goiaba na safra 2019/2020. A expectativa varia pouco em relação aos números da colheita passada. Os agricultores estimam que a produção estará em alta durante a 71ª Festa do Figo e 26ª Expogoiaba, que será realizada entre 18 de janeiro e 2 de fevereiro do próximo ano, quando separa seus melhores frutos para a exposição e comercializam os produtos diretamente para o comprador. A entrada na festa é gratuita.

Os dados são do Departamento de Agricultura, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico. “Há uma pequena variação na safra relacionada ao ano passado, como sempre acontece com cultivos como um todo”, explicou a diretora da Agricultura, Luciana Passos.

Segundo Luciana, no ano passado o figo movimentou cerca de R$ 9 milhões de faturamenteo e a goiaba, R$ 60 milhões. Os últimos dados oficiais do Levantamento Censitário das Unidades de Produção Agropecuária do Estado de São Paulo (LUPA 2017) apontam cultivo em torno de 168 hectares de figo e 310 hectares de goiaba em Valinhos. A cidade conta com 84 produtoras de figo e 185 de goiaba. “Esses números sempre sofrem flutuações ano a ano”, comentou a diretora.

Festa

A expectativa dos produtores é que as frutas estejam no auge da colheita para a 71ª Festa do Figo e 26ª Expogoiaba, ótimas para a compra e exposição. A festa terá 40 boxes de frutas voltados para a exposição e venda aos visitantes. “A colheita está acontecendo, mas o figo atrasou um pouco este ano. Durante o período da festa estará em plena produção”, garantiu Luciana. 

O Sindicado Rural também está otimista em relação à safra na festividade, com o mercado interno com um volume maior de frutas produzidas, o que favorece a queda nos preços para o consumidor. Segundo a entidade, nos meses de novembro e dezembro a colheita também é destinada às exportações. 

“Já tivemos safras em que conseguimos exportar 35% da produção de figos e 5% da produção de goiabas. Nossa expectativa é que isso se mantenha, apesar de que o atraso na colheita do figo pode diminuir esse número”, informou o presidente da entidade, Pedro Pellegrini.

Clima

Os produtores apontam que o clima nos últimos meses não favoreceu nem o figo nem a goiaba. “A produção estava fraca, mas começou a melhorar. O figo gosta de chuva e calor, mas não pode estar muito chuvoso”, explicou Haroldo Lacarini. Produtor de figo, ele espera superar a colheita de 2018, que chegou a 300 mil caixas da fruta, com venda estimada de 4 mil caixas durante a festa.  A expectativa é também ser classificado nas premiações na exposição do evento, como aconteceu no ano passado. “Para a exportação nosso produto também é bem aceito”, comemorou.

A cultura da goiaba também gosta mais de clima úmido. “O tempo não favoreceu muito até agora porque estava muito seco, o que diminuiu a produção. A expectativa é melhorar”, disse o agricultor Leonardo José Joaquim, que optou por uma produção diversificada, com plantação de 1,2 mil pés de goiaba, 3 mil de figos e 3,5 mil de uvas.

Apesar de não expor nem vender na festa, Joaquim integra o roteiro de agroturismo, abrindo a propriedade onde trabalha e onde está instalada a Adega do Tio Mário, aos visitantes. No local, o turista encontra um bom vinho, cachaça, frutas e outros. “Por final de semana é vendido, em média, 200 caixas de goiaba e 300 caixas de figo”, explicou. O restante de sua colheita é destina ao Estado de Minas Gerais. “A quantidade que levar para lá é vendido”, disse. sobre a boa aceitação do produto.

Serviço:
71ª Festa do Figo e 26ª Expogoiaba
Data: 18/1 a 2/2/2020
Horário: quarta a sexta-feira: 18h às 22h30
               Sábado e domingo: a partir das 9 horas
               Feriado (segunda-feira – 20/1 – Dia de São Sebastião) – a partir das 9h
Local: Parque Municipal Monsenhor Nuno Nardini
Rua Dom João VI, s/nº – Jardim Planalto
Entrada gratuita
 

16/12/2019