UBSs de Valinhos têm alta de 74,5% na demanda em três anos

Foram 125.892 atendimentos nas 13 unidades em 2016 e 219.732 até novembro deste ano

Valinhos registrou aumento de 74,5% no número de pacientes atendidos nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) em 2019, em relação a 2016. O Centro de Especialidades de Valinhos (CEV), onde são realizadas consultas com profissionais especializados, teve alta foi de 23% em 2019, em comparação com 2016. Este ano, o CEV realizou em média 160 atendimentos por dia, ante 130 de 2016.

Os números foram divulgados pela Secretaria da Saúde de Valinhos e os dados de 2019 contabilizam os atendimentos feitos entre janeiro e novembro, portanto, o não incluem pacientes que estão sendo atendidos este mês de dezembro, o que vai ampliar ainda mais as porcentagens de alta. 

Somente nas UBSs, o acréscimo representa 94 mil atendimentos feitos a mais este ano em relação a 2016. Foram 125.892 atedimentos nas 13 UBSs de Valinhos em 2016 e 219.732 até novembro deste ano. Em 2016, Valinhos tinha 13 Unidades Básicas de Saúde. No ano passado ano foi inaugurado o posto do Frutal, ampliando para 14 UBSs. Também foi inaugurado no ano passado a UBSs da Vila Itália, construída para substituir a UBS Central, fechada por não oferecer condições adequadas. 

O maior aumento no número de atendimentos nas UBSs de Valinhos aconteceu no Parque Portugal, que registrou em 2016 a média mensal de 274 pacientes atendidos e pulou para 1.529 até novembro deste ano. Em porcentagem, a alta é de 458,1%, o que quer dizer quatro vezes e meia mais atendimentos. 

A secretária de Saúde. Carina Missaglia, explicou que a Prefeitura já vem trabalhando com aumento expressivo da demanda. "Há uma alta muito grande no número de atendimentos. É preciso uma forte gestão para absorver essa alta e atender todos os pacientes. Sabemos que Saúde precisa sempre e mais de atenção. Mas temos muitas conquistas a serem comemoradas", disse.

Segundo a secretária, vários fatores contribuíram para esse aumento de demanda. A crise econômica foi o mais relevante. Muitos moradores perderam seus empregos e planos de saúde, passando a utilizar a rede municipal. "Isso afetou não só Valinhos, mas todas as cidades da região, fazendo com que moradores de cidades próximas viessem a Valinhos em busca de atendimento, porque a Saúde da nossa cidade é referência na região", afirmou. 

Entre as conquistas, Carina citou a construção das novas UBSs, reforma de UBSs que precisavam de qualificação no atendimento, construção da Farmácia Municipal, do novo CEV 2, da nova sede do Melhor em Casa, do Centro de Atendimento Psicossocial Álcool e Drogas (CPAS AD), reforma da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), regularização dos estoques de remédios. Citou ainda as obras do Laboratório Municipal, do CEV 3 e a informatização da Saúde, com consultas marcadas pelo celular. 

Odontologia

O atendimento de Odontologia também registrou crescimento expressivo de 2016 para 2019. Foram 12.900 consultas em 2016 e 28.704 em 2019, 122,5% de aumento. Na UPA foram realizados 458 atendimentos por dia em 2016 ante 466 em 2019 até novembro, alta de 1,7%. 

Carina explicou que a UPA já vem enfrentando há vários anos aumento da demanda por causa de pacientes que são de outras cidades, principalmente Campinas, Vinhedo e Louveira, e que representam até 40% dos atendimentos feitos no local. "Todas as pessoas que procuram a UPA são atendidas. Em alguns dias a demora é maior, por causa da demanda. Mas também há dias de movimento mais tranquilo", afirmou. 

Carina lembrou que a crise também afetou os orçamentos dos municípios, que registraram aumento da demanda por serviços públicos e arrecadação menor. Ela comentou que o Governo do Estado e o Governo Federal estão reduzindo repasses de verbas para a Saúde na cidade e também reduzindo atendimento nos hospitais referenciados para pacientes de média e alta complexidade. 

Segundo Carina, o Município faz o cahamdo aendimento básico de Saúde. Casos mais complexos, como cirurgias, são atendidos pelo governo estadual, que coordena a marcação de consultas, exames e a própria cirurgia, na Diretoria Regional de Saúde (DRS) 7, que fica em Campinas. Esses atendimentos complexos são feitos em hospitais como o da Unicamp. 

Valinhos não tem hospital municipal. Mas a cidade mantém um contrato com a Santa Casa para alguns atendimentos menos complexos feitos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para moradores da cidade.

Santa Casa

O valor do repasse para a Santa Casa também aumentou. A verba foi de R$ 20 milhões em 2016 e passou a R$ 27 milhões em 2019, aumento de 35%. "Sabemos que os desafio são grandes em Saúde, há muito a ser feito, tanto pelo Município quanto pelo Estado. Posso afirmar que em Valinhos estamos trabalhando com empenho para melhorar a qualidade do atendimento e a qualidade de vida da população", disse Carina.

 

17/12/2019