Vacinação contra raiva em cães e gatos prossegue neste final de semana

     Vinte e oito de setembro é o Dia Mundial de Combate à Raiva. Em Valinhos, a campanha de vacinação antirrábica em cães e gatos na área urbana do município terá sequência neste final de semana, dias 26 e 27, em mais 25 postos espalhados pela cidade (veja tabela). A imunização teve início no último final de semana, dias 12 e 13, em 26 postos.
    O Centro de Controle de Zoonoses informa que já foram vacinados 4.846 cães e 548 gatos e que a expectativa é atingir cerca de 22 mil animais, entre os quatro dias de ação na zona urbana e na área rural. Na imunização feita chácara por chácara foram vacinados desde maio até o momento 4 mil animais, e a campanha prossegue até o final deste mês. O total de animais vacinados no ano passado foi 18.247.
De acordo com a médica veterinária do CCZ, Lúcia Feltrin, o número de doses aplicadas neste primeiro final de semana de campanha foi inferior em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram vacinados 5.070 cães e 578 gatos. “A vacinação do maior número possível de cães e gatos é a principal ferramenta para proteger a população humana contra a doença”, ressalta a veterinária, lembrando que a raiva mata no mundo cerca de 55 mil pessoas por ano.
     A veterinária afirma ainda que há uma grande preocupação em aumentar o índice de vacinação em gatos. “Por permanecerem com o instinto de caça bem aguçado, esses animais apresentam maior risco de serem infectados pela raiva, caso tenham contato com algum outro contaminado, como morcegos. Por isso, se faz necessário um esforço maior dos proprietários de gatos para que todos sejam vacinados”, explica. Entre 2004 a 2008, Valinhos registrou casos positivos de raiva em morcegos, o que indica, segundo a veterinária, que há circulação do vírus no município.
      Lúcia destaca que todos os cães e gatos com idade superior a três meses de idade, inclusive as fêmeas que estejam prenhes, amamentando ou no cio, deverão ser levados para vacinar. Ela orienta também que os animais sejam conduzidos aos postos de vacinação por adultos, utilizando sempre guia e coleira de condução. “Por serem muito mais ariscos e ficarem estressados, os gatos devem ser transportados em caixas ou fronhas de travesseiro, para a segurança dos animais, das pessoas e dos funcionários que trabalham na campanha”, complementa a veterinária. É importante ainda que os proprietários levem a carteira de vacinação de seus animais.
     No caso dos animais que vão tomar a vacina pela primeira vez, eles deverão receber um reforço após 30 dias. A vacina é aplicada diariamente no CCZ, que atende de segunda a sexta-feira, das 8 às 16 horas. O CCZ fica na Alameda das Mangueiras, 828, Parque Valinhos, telefone 3829-2197.
      Estão envolvidos na campanha de vacinação antirrábica 50 pessoas, entre agentes sanitários, equipe de zoonoses, auxiliares e técnicos de enfermagem. Os postos, entre fixos e volantes, estão instalados em escolas, centros comunitários e unidades de saúde. O posto do Centro de Convivência Brasil 500 Anos foi transferido para o CACC (Centro de Artes, Cultura e Comércio) “Adoniran Barbosa” e o da guarita do Recanto dos Cafezais, para o Itamaracá Mall.

A doença
     A raiva é uma doença viral grave que pode acometer todos os mamíferos, incluindo seres humanos. A zoonose possui alta letalidade, sendo mortal tanto para o homem quanto para os animais.  A transmissão ocorre através da saliva de animais contaminados pelo vírus por meio de mordeduras, lambeduras e até arranhões.
    A doença causa uma inflamação aguda do sistema nervoso central (cérebro) e uma vez iniciados os sintomas não há mais cura. Há apenas descrições de recuperação de duas pessoas após severo e complexo tratamento contra a raiva, porém ambos permaneceram com sequelas. Apesar de muitos avanços da medicina nesta área, ainda não há um protocolo de tratamento efetivo para a doença, e a grande maioria dos casos evolui para óbito.