Valinhos debate propostas para proteger crianças e adolescentes

Conferência promovida pelo Conselho Municipal reúne representantes de entidades e moradores

Valinhos promoveu esta semana a Conferência do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, quinta-feira (29) e sexta-feira (30), na faculdade Anhanguera Educacional Valinhos. O evento reuniu representantes da Prefeitura, do Conselho, de entidades representativas, moradores e estudantes para debater o tema Proteção Integral, Diversidade e Enfrentamento das Violências. Propostas definidas durante os dois dias de trabalhos serão encaminhadas para a Conferência Estadual, que acontece em 2019. 

A Conferência Municipal foi dividida em cinco eixos, com grupos debatendo cada um deles. Os eixos são Garantia dos Direitos e Políticas Públicas Integradas e de Inclusão Social, Prevenção e Enfrentamento da Violência Contra Crianças e Adolescentes, Orçamento e Financiamento das Políticas para Crianças e Adolescentes, Participação, Comunicação Social e Protagonismo de Crianças e Adolescentes e Espaços de Gestão e Controle Social das Políticas Públicas de Promoção, Proteção e Defesa dos Direitos das Crianças e Adolescentes.

Na quinta-feira aconteceu a Conferência Lúdica, com participação de estudantes, crianças e adolescentes. Segundo a presidente do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente de Valinhos, a psicóloga Nahara Lopes. há um mês o tema e os cinco eixos estão sendo discutidos em locais de atendimento de crianças e adolescentes de Valinhos. Dessas discussões surgiram algumas propostas que foram apresentadas na conferência, com a participação de representantes dessa população, inclusive estudantes. 

"As crianças são estimuladas a questionar, a trazer propostas a partir da sua perspectiva, sobre a sua realidade, a fazer avaliações com o seu olhar, assumindo o protagonismo", disse Nahara. Ela lembrou que a conferência é um espaço democrático para debater políticas de proteção às crianças e adolescentes, aberta a toda a população. 

O segundo dia de conferência reuniu a população em geral, novamente para debater os cinco eixos de trabalho. Depois de debatidas, a propostas foram ratificadas pelos participantes do evento para compor um relatório que será enviado para a Conferência Regional e Estadual. Também foram eleitos os delegados que vão representar o município, entre representantes da sociedade civil, crianças, adolescentes e integrantes da rede de atendimento, como Conselho Tutelar e Justiça. 

" A ideia é que essas propostas se tornem políticas públicas para que a rede de atendimento possa oferecer serviços, projetos e programas para melhorar a qualidade de vida dessa população", disse Nahara. Ela lembrou que o Conselho é paritário, tem membros da sociedade civil e do poder público, e foi reestruturado em julho deste ano. "O Conselho tem sido atuante no diagnóstico do município para pensar em políticas públicas", afirmou.

 

Jovens 

"Queremos ser respeitados e ter nossas opiniões respeitadas", disse a estudante Isadora Tavares Nunes, de 14 anos, que participou da conferência. "Ao discutir sobre esses temas, ganhamos mais confiança para nos posicionarmos ante os adultos e a sociedade", afirmou. A estudante Mirna Idalina Souza lembrou que esse repeito inclui acesso universal à educação e saúde. "Educação de qualidade é muito importante", alegou. 

Alunos da Apae também participaram do evento. A assistente social da instituição, Jéssica Anali de Lima, disse que a sociedade deve garantir direitos e qualidade de vida a todas as crianças e adolescentes. "Somos todos cidadãos iguais e essa igualdade precisa ser respeitada. Esse evento é grandioso porque propõe a participação de todos e promove a inclusão. Pessoas com deficiência são cidadãos como qualquer cidadão", afirmou.

"O cuidado não é só com as crianças, mas também com as estruturas familiares nas quais elas estão envolvidas. Particularmente na Apae, existe um trabalho com as famílias porque é muito importante. Famílias melhor estruturadas refletem no atendimento do assistido", comentou a assistente social Célia Regina Cunha Ubiali. Ela também defendeu a inclusão como importante ação para o desenvolvimento social. 

 

Direitos

A secretária de Assistência Social, Dulce Maria de Paula Souza, disse que a conferência é um espaço para analisar a qualidade dos serviços, programas e projetos existentes para avançar. "Conferência é isso, conferir, avaliar, propor. Temos de verificar quais os direitos que não estão sendo devidamente atendidos prioritariamente de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social", explicou. 

Dulce cometou que a discussão passa por aprimorar a gestão do orçamento, garantir o protagonismo dessa população nos debates, fortalecer o Conselho Municipal, fazer um diagnóstico das principais vulnerabilidades do município, vazios de cobertura na rede de proteção, prioridades de atendimento e elaboração de um plano de ação que garanta a correta aplicação de recursos. 

"Esse é um momento bastante especial em que a comunidade é chamada para olhar sua infância e juventude, se envolver verdadeiramente nessas questões, deixando de lado atitudes simplistas de críticas sem propostas. Somos todos responsáveis pelos que crescem e necessitam de cuidados para se tornar cidadãos pelnos, desenvolvendo suas capacidades e potencialidades", afirmou Dulce. 

A secretária alegou que é preciso comprometimento da sociedade para minimizar sofrimento, abandono e negligência, que muitas vezes permanecem invisíveis para a maioria. "Temos de assegurar que nossas crianças sejam atendidas com dignidade e respeito", acrescentou. Ela disse que Valinhos está trabalhando empenhada nisso e citou dados da Fundação Seade que mostram que a cidade reduziu em 39% o índice de mortalidade infantil em 2017, hoje tem o 4º menor índice entre as cidades da Região Metropolitana de Campinas, saltando 12 posições em relação a 2016, quando ocupava a 16ª posição. 
 

30/11/2018