Vôlei Valinhos conta com a força da torcida na final da Superliga B

Grande decisão acontece em Valinhos no sábado, às 11h, no Ginásio Municipal

Mais do que nunca, o Vôlei Valinhos precisa e espera novamente contar com a força da torcida na final da Superliga B, neste sábado (13). A grande decisão, que vale o título de campeã e pode abrilhantar ainda mais o retorno da equipe valinhense à elite do vôlei brasileiro, será contra a equipe do Flamengo, às 11h, no Ginásio Municipal Vereador Pedro Ezequiel da Silva.

Assim como ocorreu na emocionante partida pela semifinal, na sexta-feira (5), contra o Bradesco de Osasco, o treinador André Rosendo afirma que a torcida será o sétimo ou oitavo jogador em quadra e que o apoio da “família Valinhos” pode ser decisivo para o Vôlei Valinhos chegar à vitória. Ele explica que o fator casa é muito importante para o emocional das atletas, pois a vibração da torcida e a troca de energia positiva a cada lance do jogo faz toda a diferença.

Para Rosedo, o grito de guerra da torcida, “ace ace”, incentivando o ponto já no saque, acaba dando uma grande força para a atleta, que tem a responsabilidade de acertar e fazer a bola cair na quadra da equipe adversária. “Assim como a vaia e os gritos de ‘errou errou’, na hora em que o time adversário vai sacar, muitas vezes tira a concentração da jogadora e contribui para o placar a nosso favor”, diz o treinador, ao clamar que a torcida compareça em massa para essa final histórica na nossa cidade.

Na opinião da líbero Laís Cruz de Lima, 21 anos, camisa 19, que encaixou uma sequência de 6 pontos por saque no segundo set da semifinal contra o Bradesco, a vibração da torcida faz o time crescer dentro de quadra, principalmente nos momentos de sufoco. Responsável pela virada no placar de 25 a 21, para Valinhos, Laís destaca que a troca de energia dos torcedores com as atletas em quadra é nítida. “Quando vou sacar, por estar extremamente concentrada, não ouço nada. No entanto, quando a bola cai na quadra adversária e o ponto é marcado, a emoção de olhar para o torcedor comemorando é muito boa”, confessa a atleta.

Segundo o auxiliar administrativo Aldo Barbosa Messias, 39 anos, que acompanha o Vôlei Valinhos desde 2014, o jogo da semifinal, na sexta-feira, foi de tirar o fôlego e a final neste sábado não vai fugir disso. “A emoção que eu senti com nossa vitória, marcando o retorno da equipe para elite do vôlei brasileiro, foi proporcionalmente a mesma quando vibrei com a conquista do primeiro título mundial do nosso querido Ayrton Senna e da primeira vitória do Rubens Barrichello”, afirma.

Messias comenta que está em todos os jogos da equipe de Valinhos na cidade e quando a partida é fora de casa, mas dentro do Estado de São Paulo, também acompanha. “Eu creio que a torcida tem um papel fundamental para apoiar as atletas nas situações difíceis. Na maioria das vezes, com nosso incentivo, as atletas conseguem reverter uma situação ruim em quadra e o resultado positivo acaba acontecendo”, ressalta. 

 

10/04/2019