Ir para o conteúdo

Prefeitura de Valinhos e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
Prefeitura de Valinhos
Acompanhe-nos:
Rede Social Instagram
Rede Social Facebook
Rede Social Youtube
Dengue
Dengue
AVALIAR


Sala de Situação

A Prefeitura de Valinhos atualiza semanalmente o número de casos registrados na cidade:


2024

De 1º de janeiro até o momento (atualizado em 29/2/2024)
  • Notificados: 2.660
  • Negativos: 1.800
  • Positivos: 772 (726 autóctones, 37 importados e 84 de outros municípios)
  • Aguardando resultado e/ou positivos a definir: 9

2023
 
  • Notificados: 4.173
  • Confirmados: 218
  • Negativos: 3.865
  • Mortes: 0
  • Sem registro de casos positivos de Zika ou Chikungunya.

2022
 
  • Notificados: 3.069
  • Confirmados: 1.138
  • Negativos: 1.931
  • Mortes: 0
  • Chikungunya: 1


Busca ativa

As buscas ativas têm sido realizadas quando um caso de dengue é confirmado em determinada região, com avaliação do local onde a pessoa mora e monitoramento da disseminação nas redondezas, em um raio de 500 metros, com visita em todos os imóveis. Se outro morador apresentar sintomas, ele é encaminhado para o exame de sorologia, além de receber as orientações. Durante as visitas também é realizado o ‘bloqueio e controle de criadouros’, que consiste na eliminação de materiais, com água parada junto com o morador, para que ele entenda na prática a importância da prevenção.

Valinhos também iniciou ação de fumacê. Além disso, a Prefeitura promove periodicamente atividades educativas em diversos locais com grande circulação e nas unidades escolares municipais para aumentar o alcance de acesso às informações sobre todas as arboviroses.
 

Veja seis dicas para prevenir se prevenir contra à dengue:




1) Elimine focos de água parada 
Não deixe qualquer reservatório de água parada sem proteção em casa. O mosquito pode utilizá-lo como criadouros. Por isso, cuidado com caixas d’água e piscinas abertas. O mosquito usa até pequenos objetos, tais como tampas de garrafa e vasos de planta, para se proliferar. 

2) Receba bem os agentes sanitários
Eles são excelentes aliados da população no controle desta doença, bem como de várias outras que, com a prevenção adequada, resulta em benefícios a todos. Assim, quando um técnico da Secretaria de Saúde bater à sua porta, atenda prontamente, acompanhe a vistoria, necessária para identificação de focos do mosquito transmissor da doença e fique atento as orientações passadas por ele e as realize de forma rotineira.

3) Utilize repelente 
Dê preferência à aplicação do produto nas partes do corpo que ficam expostas, como braços e pernas, para manter o mosquito afastado da pele. 

4) Cubra a maior parte do corpo, quando possível 
O Aedes aegypti é atraído pela substância que o corpo humano elimina por meio do suor e da respiração, por isso é importante utilizar roupas que cubram a maior parte do corpo para atenuar esse processo. 

5) Coloque telas em janelas e portas 
Mosquiteiros ou outras barreiras disponíveis ajudam a manter o mosquito longe.

6) Aplique inseticidas e larvicidas 
Inseticidas são grandes aliados na prevenção da dengue, pois ajudam a eliminar focos do mosquito em locais abertos e fechados. 
 


A prevenção contra a dengue é o melhor remédio contra a doença. Por isso, conheça mais detalhes sobre essa patologia, sintomas e formas de transmissão e prevenção:


Índice:

  1. O mosquito

  2. A doença

  3. Sintomas

  4. Tratamento

  5. Prevenção

  6. Ações de controle

  7. Perguntas frequentes

  8. Outras ações da equipe

 

O MOSQUITO                                                 

O causador da dengue é um vírus, chamado Flaviviridae, mas seus transmissores são mosquitos do gênero Aedes aegypti, popularmente conhecidos como "pernilongos da dengue". A origem do inseto transmissor da doença ao homem é africana. Na verdade, quem transmite é a fêmea ao picar, pois o macho apenas se alimenta de seiva de plantas. A fêmea precisa da albumina, uma substância encontrada no sangue para completar o processo de amadurecimento de seus ovos.



O mosquito da dengue apenas transmite a doença, mas não sofre seus efeitos. Este inseto tem algumas características que podem facilitar seu reconhecimento. Ele é escuro e rajado de branco. É menor que um pernilongo comum, pica durante o dia e desenvolve-se em água parada e limpa. A única maneira de evitar a dengue é não deixar o mosquito nascer. 

Aedes aegypti, mais conhecido como "mosquito da dengue" se adaptou às áreas urbanas das cidades e vive preferencialmente dentro das casas ou perto delas, uma vez que lá encontra melhores condições para sua reprodução: sangue humano e depósitos com água. Ele pode se proliferar em qualquer lugar que acumule água limpa (caixas d' água, cisternas, latas, pneus, cacos de vidro e vasos de plantas).



A DOENÇA 

Em todo o mundo, existem quatro tipos de dengue, já que o vírus causador da doença possui quatro sorotipos: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. No Brasil, já foram encontrados da dengue tipo 1, 2 e 3 e mais recentemente o tipo 4. A dengue de tipo 4 foi identificada no norte do país e é apontada como o principal fator de risco de possível epidemia no ano de 2011.

A dengue é uma doença febril transmitida por meio da picada da fêmea contaminada de um mosquito chamado Aedes aegypti e possui um tempo médio de duração de 6 dias.

A doença tem preocupado a população e mobilizado autoridades em todo o Brasil e em outros países. Diversas cidades e estados brasileiros estão passando pelo drama da epidemia de dengue. Dentro dessa realidade, a questão que mais preocupa e alarma a população é a possibilidade de se contrair dengue hemorrágica, uma vez que esta pode ser letal. O que muitas pessoas não têm conhecimento é que a dengue hemorrágica não é um tipo diferente de dengue e sim, um agravamento da dengue clássica, que ocorre na minoria dos casos.


SINTOMAS 

  • Dengue clássica: os sintomas mais comuns da dengue clássica são: febre, podendo ser acompanhada de náuseas, vômitos, dor nos olhos, cansaço, falta de apetite, dores no corpo, principalmente nos músculos e nas articulações e dor de cabeça. Também podem aparecer manchas vermelhas pelo corpo e, em alguns casos, sangramento, mais comum nas gengivas. Ao perceber os sintomas, a pessoa deve procurar a unidade de saúde mais próxima de sua casa.
     
  • Dengue hemorrágica: a dengue hemorrágica tem início como uma dengue comum, com seus sintomas clássicos, ou seja, febre alta, podendo ser associada a dor de cabeça, atrás dos olhos e nas juntas, manchas avermelhadas pelo corpo. Geralmente, a dengue hemorrágica se manifesta do quarto ao sexto dia, numa piora abrupta. Existem alguns sinais de alerta que devem ser levados em consideração para suspeitar da sua ocorrência.

Os sinais de alerta podem ser facilmente percebidos pelo paciente e qualquer um deles indica a necessidade de procurar um médico com urgência. São eles: A queda abrupta de pressão, podendo haver desmaio, corpo gelado e sudorese intensa ao mesmo tempo, diminuição da quantidade normal de urina e dor abdominal intensa, pode haver ou não sangramentos nas gengivas e nariz.

Por essa razão, é importante que a pessoa acometida pela doença em sua forma clássica procure um médico no início dos sintomas para que sejam feitos testes, avaliação clínica do caso e uma orientação sobre os cuidados a serem tomados.

TRATAMENTO 

Não há tratamento específico para o paciente com a dengue. Recomenda-se ingerir bastante líquidos para evitar a desidratação, além de uma alimentação rica em frutas, legumes e verduras. Os sintomas, como a febre, as dores de cabeça e no corpo, podem ser controlados com medicamentos analgésicos/anti-térmicos, evitando aqueles cuja base é o ácido acetilsalicílico. Tais medicamentos podem favorecer a ocorrência de hemorragias.

Em qualquer circunstância de dengue, a hidratação pode ser considerada como tratamento. Nos casos mais leves, ela pode ser ministrada via oral. Quando o paciente apresenta vômitos ou apresenta sinais mais graves, a indicação é a aplicação de soro, via intravenosa, no hospital, para que a resposta do organismo seja mais rápida.

PREVENÇÃO

A fêmea grávida é atraída por recipientes escuros ou sombreados, onde deposita seus ovos. Ela prefere água limpa e parada. Os ovos podem resistir até mais de um ano nas paredes secas dos recipientes, até que tenham contato com a água e se transformem em larvas. As altas temperaturas favorecem a reprodução mais rápida e o aumento da quantidade de mosquitos.

Como é praticamente impossível eliminar o mosquito da dengue, é preciso identificar objetos que possam servir de criadouros do Aedes aegypti. A única maneira de evitar a dengue é não deixar o mosquito nascer. Para isso, é preciso acabar com os lugares de nascimento e desenvolvimento do mosquito, os chamados "criadouros". Para diminuir a incidência do mosquito é importante não deixar água acumulada em nenhum recipiente. Até mesmo uma tampa de refrigerante pode servir de criadouro para o mosquito da dengue.

Confira algumas dicas e mantenha sua família protegida contra a dengue:

  • Para as plantas aquáticas, uma boa solução é utilizar a gelatina vegetal. Ela é bastante durável e decorativa, encontrada em diversas cores.
     
  • Lave bem os pratos de plantas e xaxins, passando um pano ou bucha para eliminar completamente ovos de mosquitos. Outra boa solução é não utilizar os pratinhos. 
     
  • O inimigo pode estar escondido acima do alcance dos olhos. Por isso, é bom sempre vistoriar e limpar calhas e lajes das casas. Mantenha as caixas d´água, poços, latões e filtros bem fechados.
     
  • Lave bebedouros dos animais de estimação com escova ou bucha e troque a água todos os dias.
     
  • Guarde as latas, garrafas e pneus vazios em local abrigado. Fure latas e pneus. Este último é um de seus lugares preferidos, por ser escuro e poroso, proporciona condições idéias para a postura de ovos.
     
  • Mantenha seu quintal livre de copos descartáveis, tampinhas de garrafa e tudo o que possa acumular água. O lixo deve ficar o tempo todo fechado.
     
  • Em banheiros pouco usados a tampa dos vasos sanitários deve ficar fechada e deve-se dar descarga ao menos uma vez por semana. As bandejas do ar-condicionado e da geladeira também precisam ser verificadas: alguns modelos acumulam água que pode virar foco do mosquito.


AÇÕES DE CONTROLE           

  • Casa a casa: visita aos imóveis com o objetivo de identificar, eliminar quando possível e tratar criadouros em potencial existentes e fornecer as orientações pertinentes aos moradores sobre as condutas a serem adotadas para a não proliferação do Aedes aegypti. 
     
  • Pontos estratégicos: identificação de locais (borracharias, reciclagens, floriculturas, cemitérios, etc.) que, por suas características, tornam-se criadouros em potencial para a proliferação do mosquito e denominados. 
     
  • Imóveis especiais: trabalho realizado em edificações não residenciais de grande porte pela sua importância epidemiológica em função de condições favoráveis a presença de criadouros do vetor da dengue e a circulação e permanência de grande número de pessoas.
     
  • Avaliação de densidade larvária: avaliação dos níveis de infestação do Aedes aegypti de uma determinada área geográfica, num dado momento.
     
  • Busca ativa de novos casos: visitas domiciliares realizadas em áreas com casos suspeitos ou confirmado de dengue buscando pessoas com sintomas desta doença.
     
  • Bloqueio de foco: tem a finalidade de verificar a extensão de uma área infectada e executar as ações inerentes para a sua eliminação onde há a verificação da presença ou não de Aedes aegypti na residência e, suas áreas periféricas em casos de suspeita e/ou confirmação de dengue, para impedir o risco de disseminação da doença.
     
  • Arrastão: visitas domiciliares para retirada de criadouros realizadas em área de risco para proliferação do Aedes aegypti.  
     
  • Operação cata-bagulho: retirada de material inservível, potencial criadouro do mosquito da dengue e de outros animais da fauna sinantrópica, dos imóveis da cidade.
     
  • Ações educativas: esclarecer e orientar quanto a dengue, sintomas, transmissão e suas medidas de prevenção e controle.
     
  • Solicitações de 156: trabalho de visita domiciliar e/ou comercial realizada pelos técnicos conforme demanda de ligações dos munícipes pelo sistema 156.

 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

1) A dengue pode matar?
Sim, na maioria dos casos só há o risco de morte caso a dengue atinja o seu estado mais grave que é a dengue hemorrágica, entretanto, pessoas que já estão debilitadas por outros motivos ou pessoas com histórico de problemas cardíacos também correm o risco.

2) O mosquito necessita apenas de água limpa?
Não, o mosquito tem preferência por água limpa, entretanto pode desenvolver-se em água ligeiramente suja.

3) Como posso matar os ovos do mosquito?
Não tem como matar os ovos, o ideal é que se lave e esfregue as bordas dos possíveis criadouros para eliminá-los, eles podem sobreviver cerca de um ano e tem maior resistência que larvas e pupas.

4) Existe vacina contra a dengue?
Não, a única maneira de enfrentar a dengue é a prevenção no dia-a-dia.

5) A dengue transmite em animais?
Não, a dengue não transmite em animais porque as fêmeas do mosquito só picam seres humanos e os machos se alimentam de seiva.

6) Posso pegar dengue de uma pessoa doente?
Não, a transmissão se dá pela picada do mosquito infectado pelo vírus22 da dengue1. Não existe transmissão por contato direto de um doente ou de suas secreções com uma pessoa sadia, nem por contato com fontes de água ou alimento. Uma pessoa não passa dengue1 para outra pessoa.

7) Depois de ter tido dengue, posso pegá-la novamente?
Sim, mas nunca do mesmo tipo de vírus22. Ou seja, a pessoa fica imune contra o tipo de vírus22 que provocou a doença, mas ela ainda poderá ser contaminada pelas outras três formas conhecidas do vírus22 da dengue1.

8) Há tratamentos efetivos para o tratamento da dengue?
O tratamento se baseia em repouso e a ingestão de bastante líquidos, o paracetamol e a dipirona podem aliviar os sintomas, mas não cura a doença. NÃO podem ser usados remédios à base de ácido acetil salicílico, como a Aspirina e o AAS. Devem ser evitados os anti-inflamatórios não hormonais e drogas com potencial hemorrágico.

9) É possível distinguir a picada do Aedes aegypti da de outros mosquitos?
Não, as sensações de dor ou incômodo são semelhantes as de qualquer outro mosquito

10) Como age o vírus da dengue no corpo após a picada do mosquito?
O vírus invade uma célula e dá início a um processo de multiplicação, até que esta se rompa. A partir daí, outras células são invadidas, até que o sistema imunológico identifique a ação e crie anticorpos. Esse processo se dá, geralmente, no quinto ou sexto dia de doença. A morte por dengue acontece quando a pessoa sofre uma lesão muito grave no fígado, desidrata ou tem grande queda de pressão arterial ou do número de plaquetas.

11) Posso estar doente mesmo sem apresentar todos os sintomas?
Sim. A intensidade dos sintomas varia muito de pessoa para pessoa. A febre e as dores no corpo, entretanto, são comuns a todos. Deve-se procurar um médico a partir da primeira desconfiança.
 

OUTRAS AÇÕES DA EQUIPE

Além de realizar os trabalhos relacionados a Dengue, a equipe participa de outras ações, tais como:

  • leptospirose;
  • leishmaniose;
  • resíduos(lixo).
  • campanha rural de vacinação da raiva;
  • campanha urbana de vacinação da raiva;
  • aids/HIV;
  • serviço de bloqueio da raiva;
  • febre maculosa.


Serviço de Controle de Vetor

Telefones: (19) 3829-5675 ou 3829-5674
E-mail: vigilanciazoonoses@valinhos.sp.gov.br
Seta
Versão do Sistema: 3.4.0 - 05/02/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia